Revezamento da Tocha Olímpica Rio 2016 pelo Brasil Reviewed by Momizat on . Rio Branco recebeu o Revezamento da Tocha Olímpica Rio 2016 nesta terça-feira (21). A capital do Acre foi a penúltima cidade da Região Norte a participar do eve Rio Branco recebeu o Revezamento da Tocha Olímpica Rio 2016 nesta terça-feira (21). A capital do Acre foi a penúltima cidade da Região Norte a participar do eve Rating: 0
Você está aqui:Home » Rio 2016 » Revezamento da Tocha Olímpica Rio 2016 pelo Brasil

Revezamento da Tocha Olímpica Rio 2016 pelo Brasil

Rio Branco recebeu o Revezamento da Tocha Olímpica Rio 2016 nesta terça-feira (21). A capital do Acre foi a penúltima cidade da Região Norte a participar do evento. O percurso da chama Olímpica contemplou o campus da Universidade Federal do Acre, a Praça do Relógio, a Catedral Nossa Senhora de Nazaré, as praças Povos da Floresta e da Bandeira, o Palácio Rio Branco e o Parque Capitão Ciríaco. O palco da celebração de encerramento foi montado no calçadão da Gameleira, à beira do Rio Acre.

Diversas atrações movimentaram a rota, como fanfarra e samba na Praça da Vila Betel; música sertaneja, roda de capoeira e quadrilha na Praça Semsur; esportes radicais, DJs e shows de rock no Skate Parque;  apresentações indígenas e forró em frente ao Palácio Rio Branco; e apresentações musicais, de maculelê e samba de roda no Mercado Velho.

Ainda na rota aérea, o comboio foi recebido no aeroporto Plácido de Castro ao som de “Vida de Viajante”, tocada pela banda da Polícia Militar.

Edvânio Barbosa tem 34 anos. Aos 13, sofreu um acidente que o deixou tetraplégico. Após um longo período para aceitar sua nova condição, se tornou uma voz ativa das pessoas com deficiência da cidade. “Percebi como o transporte público é despreparado para os cadeirantes e comecei a reclamar com as autoridades. Conseguimos reduzir o tempo de espera dos ônibus acessíveis para meia hora. Ainda não é o ideal, mas vamos chegar lá”, disse ele, que passou a chama Olímpica para Fabiana do Nascimento que também sofreu um acidente e se tornou cadeirante. Hoje, cursa o quarto período de Odontologia e tem orgulho e falar que será a primeira dentista cadeirante formada em sua universidade. “Aos poucos vamos adaptando as aulas e os equipamentos. A caneta, aquela máquina que faz um barulho que assusta as pessoas, é acionada pelo pé, por exemplo”, explicou

© 2013-2016 - Arquibancada Online - Proibida a Reprodução Total ou Parcial sem Divulgar a Fonte.